Rio das Ostras continua atuante no combate a violência doméstica

Neste mês de agosto, a Lei Maria da Penha completa 14 anos de existência no Brasil. Sua criação foi um grande avanço no enfrentamento à violência contra as mulheres. Durante muitos anos, este tema foi tratado como um problema familiar, do qual o Estado não teria poder de interferência. O sofrimento e a morte de milhares de mulheres eram invisíveis a sociedade e a Justiça.

Com a criação da Lei 11.340/2006, sancionada em 7 de agosto de 2006 e conhecida nacionalmente como A Lei Maria da Penha, as mulheres estariam protegidas e amparadas da violência doméstica e familiar. A lei ganhou este nome devido à luta da farmacêutica Maria da Penha para ver seu agressor condenado.

LEI MUNIClPAL- Em Rio das Ostras, a Patrulha Maria da Penha foi criada pela Lei Municipal nº 2.141/2018, sancionada pelo Prefeito Marcelino Borba, e tem como objetivo a garantia do atendimento humanizado e inclusivo à mulher em situação de agressão, e tem como finalidade reduzir a violência doméstica na Cidade, conforme diretrizes da Lei Federal 11.340/2006.

O departamento que é ligado à Secretaria de Segurança Pública, capacitou e preparou guardas civis municipais para prestar um atendimento qualificado e humanizado à mulher vítima de violência doméstica. A guarnição de agentes preparados foi formada em abril de 2019 e em seu primeiro ano de atuação, os patrulheiros realizaram 449 atendimentos no Município. De lá para cá, muitos são os avanços na proteção à mulher.

Em 2020, de abril até julho, foram prestados 97 atendimentos as mulheres vítimas de violência. Atualmente, a Patrulha Maria da Penha conta com 16 patrulheiros, com uma guarnição mista, composta por homens e mulheres, que atuam diariamente, em todos os dias da semana e que trabalham em escala de trabalho de 24h.

Os agentes realizam o acompanhamento com a autorização da vítima, realizando ligações telefônicas, rondas ou visitas periódicas às residências das mulheres em situação de agressão doméstica, fazendo o monitoramento do cumprimento das medidas protetivas e reprimindo atos de violência. As mulheres são encaminhadas pelos agentes ao Centro Especializado de Atendimento à Mulher- Ceam, onde a vítima é acompanhada por uma equipe técnica composta de assistente social, psicóloga e têm orientações jurídicas.

REDE DE APOIO- Uma rede de atuação entre a Guarda Municipal, a Secretaria de Bem-Estar Social, as Polícias Civil e Militar, o Ministério Público e o Poder Judiciário providência os atendimentos para que a vítima seja amparada e encaminhada ao serviço necessário, e, tendo esta mulher, a medida protetiva deferida, começa a ser monitorada através da Patrulha Maria da Penha.

Dados levantados pela Secretaria de Segurança Pública de Rio das Ostras, mostram que 90% das vítimas de violência doméstica foram agredidas pelo companheiro ou pelo ex-companheiro.

ATENDIMENTO-  Denúncias podem ser feitas pela própria vítima, parentes ou até mesmo vizinhos. O contato é feito através dos números; Patrulha Maria da Penha (22) 2771-5000, Guarda Civil Municipal 0800 022 6301, Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam) (22) 2771-3125/ 99870-8546.

A base da Patrulha Maria da Penha e o Centro de Atendimento à Mulher (Ceam) ficam ao lado da Coordenadoria Municipal de Fiscalização (Comfis), na Avenida Roberto Silveira, em Costazul.

Aniversário da Lei Maria da Penha prevê ações na cidade
Cursos online são os mais procurados durante a pandemia

Related Posts

Nenhum resultado encontrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Olá! Fale conosco pelo WhatsApp!
Olá! Gostaria de falar com vocês pelo whats.
Menu